Alimentando meu niilismo...

| 15 dezembro 2010 | 0 Comentários |

Irônico você gostar do que escrevo... A única explicação plausível é não querer que a fonte de minhas idéias se esgote, agindo distante de mim. Como se a saudade não fosse suficiente para alimentar isso...
Mas... obrigada mesmo assim. Talvez não fosse eu, se não escrevesse...

Resto de mim no papel...

| | 0 Comentários |

Costumo ler meus textos enquanto rascunho, depois que publico não os vejo mais. Meio que um receio esquisito de encontrar o que deixei de mim naquelas palavras...
E se eu boto fora de mim, talvez não seja tão bom ter guardado...

Fato

| | 0 Comentários |

Um amigo me disse que é na tristeza que a inspiração fica afiada.

No meu caso, isso é fato consumado...

Ser e não 'o ser'...

| | 0 Comentários |

E eu ouço as mesmas músicas, afundo ainda mais em minha melancolia, e me entorpeço de lembranças, parece que gosto de sofrer...
Estranho alguém gostar das mesmas dores, sonhar com os mesmos amores e nunca ser o 'si mesmo' todo o tempo...

E assim vivo: em constante mudança enquanto nunca mudo o meu 'eu'.

Tristeza essa...

| | 0 Comentários |


Sei que essa tristeza vai passar, mas não sei o 'quando'. Isso que mais me entristece...
| | 0 Comentários |


A maçã podre do cesto...

Dualidade

| | 0 Comentários |

Metade de mim é fria, mas a outra metade é lava incandescente...

Solitária eternidade...

| 09 dezembro 2010 | 0 Comentários |


A essas horas, estava correndo contra o vento, com os cabelos soltos, revoltos, de mãos dadas com você...
A areia branca sob meus pés, e o cheiro das ondas que iam e vinham, me vem ao pensamento neste instante...
Olhávamos um para o outro, em sublime silêncio. O ar ao nosso redor parecia tão leve, sereno. Um momento de paz...
Me senti como se não fosse eu mesmo ali. Éramos nós dois. Um em dois. Dois num único ser...
Você me olhava, com esses olhos tão profundos quanto o mar à nossa frente, sua pele reluzindo ao sol de fim de tarde...
Sorrias para mim... E eu, enlevado por tua suave respiração, deixava-me embalar por seu toque, seu respirar, por sua presença ali, comigo...
Pararia o tempo naquelas horas, viveria a eternidade com apenas este instante... doce e suave eternidade a dois...

Ainda ouço o vento soprando em meus ouvidos, respiro o mesmo ar, agora saturado, seco, sem vida...
O mesmo ar que me pesa nos pulmões, o mesmo ar que toca tua pele agora, tão distante da minha pele... e sinto você vazia de mim...
Por onde andarás...
Não tenho mais areia sob meus pés, não tenho mais os cabelos revoltos pelo vento, não tenho mais o teu sorriso, nem o brilho prescrutador de seus olhos...

Não tenho mais. Nada tenho...
Não sinto mais suas mãos nas minhas...


Mas o vento continua a soprar...
E o tempo passa...
Saudosa e solitária eternidade... em mim apenas...

Delírios de um corpo febril...

| 03 dezembro 2010 | 0 Comentários |

Quero beijos intermináveis, que saciem minha boca voraz e sedenta, abraços de calor que aqueçam minha pele entorpecida, sonolenta...
Quero sussurros em meu ouvido, embalando nossos corpos em cadência, que me façam estremecer ao leve toque de tuas mãos sôfregas, turbulentas...

Ame meu corpo, sacie teu corpo, satisfaça a ambos com este sexo quente, louco...
Com tuas doses de amor, com minhas doses de torpor, com nossos corpos entremeados de fluídos intensos...

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...