Meu copo vazio...

| 21 janeiro 2011 | 1 Comentários |

Eu queria agora alguém que desmentisse minhas opiniões pessimistas, derrubasse meus conceitos danosos acerca de mim, alguém que me fizesse sentir mais segura, e tirasse essa amargura que insiste em queimar o meu peito...


Mas os segundos do relógio vão passando e não surge nada que aplaque meu pensamento, não há ninguém que encha de vida meu copo meio vazio...

E só afundo, seco, entristeço, esvazio ainda mais o copo...

Pensamentos que nunca me abandonam...

| | 0 Comentários |

Creio não estar preparada o suficiente para cuspir no papel as palavras que ecoam em meus pensamentos...

Nada que escrever sobre esses pensamentos não resolva isso...
Eles nunca vão embora mesmo...

e então, escrevo...

Silence

| | 0 Comentários |

Tudo o que preciso é silêncio. Silêncio que não se pronuncie. Silêncio tranqüilo.

Chega de silêncio que angustia, perturbador...

Fim do amor...

| 12 janeiro 2011 | 0 Comentários |


É triste a sensação de se ver encarada por quatro paredes. O vazio da noite se junta com o silêncio das horas para torturar quem já está morto por dentro, e respira apenas por conveniência do corpo, pois a vontade de viver já se foi há muito tempo...

É justamente nessas horas que o pensamento visualiza lentamente as fotografias das lembranças, e isso também é parte do castigo. Estar sozinha, sem bebida por perto, com chuva caindo lá fora não são presságios de memórias felizes. Ou melhor dizendo, são memórias felizes, sim. Mas a idéia de não mais revivê-las, apenas na mente, é que as torna insuportáveis.

Ao fundo, aquela antiga canção de Air Supply, que fala em você estar sozinha com a cabeça no telefone, esperando por uma ligação que não vai acontecer, enche o peito de angústia, machuca a alma e faz doer os ossos, enquanto o corpo treme, aos prantos, remoendo tantas sensações diferentes e desconexas.
O que fazer nessas horas? deitar-se embaixo do chuveiro e querer passar a madrugada toda estirada no piso do banheiro não é uma boa idéia se você sofre com o frio. Mas quem se importa se você mesma não se importa? Quando acorda com o corpo molhado, sem noção das horas e os ruídos de tempestade lá fora te assustam, o melhor é voltar pra cama, pro colchão, mesmo encharcada de água e de lágrimas...

A mesma canção, repetidas vezes, não se cansa de fazer você chorar. Seria mais simples desligar o botão azul, mas você não quer que sua dor não tenha trilha sonora, embora de uma música apenas.
As paredes ouvem com demasiada paciência seus soluços altos e frenéticos, mas ninguém está do outro lado da porta, ouvindo você. Ele não veio lhe ver, simplesmente não se importa. Você se importou com ele antes para querer cobrar cuidados agora?

Não... Sirva-se agora de remorso...

Dói, não é? Dói estar despedaçada por despedaçar o coração alheio? Dói lembrar e nunca mais ter. Dói não ter uma segunda chance, de não saber o que ele pensa de você nesse exato momento. Mas, espera: será que ao modo dele, ele também não se contorce na sua imensa cama, sozinho, enlaçando as próprias pernas, ouvindo no telhado o barulho da mesma chuva que embarga o telhado acima de você? E você conjectura, pára de soluçar, aos pouquinhos as lágrimas cessam e você respira um pouco mais aliviada... e de repente, a desesperança dá o ar de sua graça, cortando o barato de seus pensamentos mais positivos, pois ele está dormindo tranquilamente, devidamente alimentado e nem pensa mais em você, e você afunda novamente a cabeça entre as mãos e faz a única coisa que te resta nestes últimos tempos: chorar.

Chore. Esgote toda sua dor. Esgote seus pensamentos, não olhe para as fotos, desligue até seu computador...

Amanhã é outro dia, e você precisa se recompor. Nem que seja pra chorar novamente, e sofrer o que sofreu na noite anterior...
Além de chorar e sofrer, o que te resta agora? um porta-retrato vazio, sobre o criado-mudo, mal-iluminado pela luz do abajur...

Abrace seu corpo, porque os braços dele não te enlaçam mais...
Como ele mesmo disse: "é tarde demais para isso."

Ele não vai mais voltar...

Lírica...

| 06 janeiro 2011 | 0 Comentários |

Sinto-me enlevada de um lirismo inefável...

Eterno vazio...

| | 0 Comentários |

Às vezes, sinto que meu peito explodir, emanando um rio borbulhante de ausência...
| | 0 Comentários |

Esperando por uma aurora brilhante distante...

ilusion...

| | 0 Comentários |

pareceu-me tão perto, ao alcance dos dedos...

alone...

| | 0 Comentários |


o amor habita nos vales gelados da desilusão...

Sinônimos de uma mesma sensação...

| | 0 Comentários |

A dor é tão somente a dor. E o amor, é a mesma dor, só que com outro nome...

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...