Na estação de trem...

| 29 abril 2011 | 0 Comentários |

Contando os minutos ela sentou ansiosa no banco da plataforma... àquela hora a estação não tinha tantas pessoas esperando pelo trem... Ela olhava para os lados, consultava seu relógio de bolso, um desses antigos que se acham hoje em dia apenas em antiquários... Ela ganhara do padrinho, falecido a muitos anos, a quem estimava...
Maria Eva não conseguia conter-se e de meio em meio minuto, olhava novamente o relógio... Passou a vista no relógio da estação, levantou e foi até o bilheteiro, na esperança de quem alguém tivesse deixado ao menos um bilhete pra ela, justificando essa demora... Mas o bilheteiro não parecia se importar ou fingia não vê-la... Não podia ser verdade, mais de três horas nessa espera infinda... Ele não a deixaria esperando... não a abandonaria...

Pessoas vão e vem na estação, a plataforma aos poucos se enche de burburinhos intermináveis, conversas sem sentido e desconexas para Maria Eva... e Fabrício não aparece... Mais uma vez o velho relógio é consultado, um último olhar à plataforma é lançado... Lentamente, ela pega sua única mala e embarca no trem, que apita sua saída...
Já em movimento, observa seu reflexo na janela e mal enxerga o próprio rosto, embargado de lágrimas... Lágrimas estas que lhe turvavam a vista...
Fabrício não veio...
A plataforma se distancia ainda mais de sua linha de visão... A chuva cai...
Pôs a mão no bolso, o relógio havia parado... o trem continuava em movimento... suas lágrimas cessaram... No ar pesava apenas aquele vazio...
e um eco de angústia...

engoliu em seco...

Um devaneio perdido...

| 14 abril 2011 | 0 Comentários |

Penso sempre em você... principalmente nas noites frias, tempestuosas e cheias de solidão... pensas em mim igualmente, ou sou apenas um devaneio perdido em suas memórias?
já não sei o que pensar... e me aflijo com teu silêncio... é como se eu te ligasse e apenas ouvisse o som de tua respiração entrecortada pela distância... e nenhuma palavra dita... apenas o teu respirar... gritando tua ausência em meu ouvido...
e me dilacero de saudades...

Vôo de liberdade eternizado num momento...

| 13 abril 2011 | 1 Comentários |

Aquela estrada vazia, mal iluminada pelo luar, parecia um sonho transformado em realidade. Ela abriu os braços, fechou os olhos, sentiu o vento gelado daquela madrugada primaveril soprar em seu rosto... E correu.
Seus sentidos vibraram ao sentir o toque gelado do vento contra seu corpo em movimento... Instante eterno de felicidade...
Corria sem rumo certo... rumo ao êxtase do infinito... em direção ao despertar de seus sentidos mais reprimidos... Ouvia atrás de si o farfalhar de folhas das árvores ao seu redor.. e sorria... sorria aliviada, extasiada, como um pássaro em seu primeiro vôo...
Então suas pernas tremeram, suas asas voltaram a ser braços, lentamente... respirou fundo... O vento parou de soprar, o frio enregelou seus músculos já doloridos...
Estava dolorida e real novamente...
Retornou seu caminho, subindo pela estrada que antes fôra seu penhasco rumo à queda livre... subindo a estrada, a leves passos... em busca de outras montanhas para saltar...

Flerte pelo retrovisor...

| 11 abril 2011 | 0 Comentários |
Era uma garota que gostava de flertar... Flertava com um transeunte na rua, com o atendente da loja, com os funcionários de sua repartição... Flertar era sentir-se viva, embora não almejasse ir pra cama com todos aqueles estranhos que passavam tão comumente por sua vida... Flertava por simples prazer, por capricho de alguém recém-saído da adolescência... O ato consistia em chama que fazia arder seu corpo, um apelo sensual de seu cérebro, mais que um orgasmo corporal...
Todos os dias, no caminho do trabalho para casa, sentia os olhos do motorista pousarem sobre ela... Instigava-o, fazendo gestos provocativos, enquanto ele a admirava, ávido, pelo espelho retrovisor... Cruzava as pernas, e não mostrava nada, apenas pela satisfação de sentir o olhar lascivo daquele homem rude, grosseiro e sem modos sobre si... Ele, que até então a achava fria, esquiva, e não se misturava com os demais companheiros de serviço, notou certo charme naquela criatura tão arredia... Eis um ponto em comum: ele também mal suportava aquela gente fedida e previsível, de brincadeiras sem graça e conversas desprovidas de conteúdo inteligente. Ele não era lá inteligente, mas admirava pessoas assim, queria aprender com elas. E aquela garota misteriosa... Sua inteligência e arrogância o excitavam... Seu pensamento era "como ela gemia na cama?". Pensava com seus botões, em meio ao volante, marchas e pára-brisas... Taciturna, atrevida em seus mínimos gestos, essa garota excitava-o... Batia punheta todos os dias, após seu itinerário...
Ele queria mais do que ela sequer imaginava, queria partir para a investida... Mas ela sempre cortava, embora delicadamente, disfarçadamente... Para ela, não havia necessidade de contato físico. O flerte bastava. O flerte alimentava mais e mais o seu ego... O motorista?
Punheta era o que lhe restava... era uma migalha de amor, o máximo que daquela garota poderia receber... Todos os dias, depois do expediente, era o que fazia, enquanto ela, já em sua casa, com um leve sorriso nos lábios, exausta caía na cama... e adormecia...

infância [in]feliz...

| 10 abril 2011 | 0 Comentários |

Agora me pergunto.. fui uma criança feliz?
Sempre me vejo séria nas photos... até minha mãe comentou sobre isso outro dia... Quando era pequerrucha, tinha sempre um sorriso no rosto... Quando 'dei por gente', parei de sorrir, fiquei séria de repente... só minha irmã caçula sorria nas photos antigas do álbum de família... A criança que havia em mim amadurecia dia após dia, deixou o sorriso de lado e abraçou o amargo de viver... E cresci...
Cedo demais... antes da hora... prematura...
Vim ao mundo com nove meses incompletos...
E continuo me questionando... fui uma criança feliz? Pergunta que não cala...
Posso até ter sido, mas quando 'acordei' para o mundo, percebi que sorrisos amigáveis não seriam suficientes para conter tanto mal ao meu redor... Sorriso de criança não aplaca a maldade dos adultos... E aprendi a ser como um deles. E hoje machuco, piso, faço chorar, magôo, embora do mesmo mal também sofra...
Por isso detesto tudo o que me tornei (não falo da casca e das idéias, e sim da própria essência humana), embora ainda ache que tenho jeito...
só não sei como, nem quando, nem por qual motivo... mas IREI. De alguma forma, irei...

still...

| | 0 Comentários |

Um pedaço vital de mim ainda transpira você...

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...