12 Meses de Poe: O enterro Prematuro

| 30 junho 2016 | 9 Comentários |

Antigamente havia o costume de colocarem sinos próximo as catacumbas para no caso de serem tocados, alguém que ficava de vigia acima do túmulo desenterrar o 'defunto', que certamente tinha sido enterrado vivo... Devido a algumas causas que hoje em dia [mas não antigamente] a medicina explica, algumas pessoas passam por um processo de 'morte' aparente, mas na verdade se encontram vivas, e em alguns casos até conscientes de todo o ritual que precede um velório...

Esse hábito se tornou comum em várias cidades e vilarejos devido ao alto número de corpos encontrados em posições diferentes quando se havia a necessidade de reabrir os sepulcros ou tumbas. A verdade é que - antes desse artifício - muitos morreram uma segunda vez, ao serem enterrados vivos  e despertarem para o horror de constatar que não havia como escapar de seus caixões...

"Podemos asseverar, sem hesitação, que nenhum acontecimento é tão horrivelmente capaz de inspirar o supremo desespero do corpo e do espírito como ser enterrado vivo. A insuportável opressão dos pulmões, os vapores sufocantes da terra úmida, o contato nos ornamentos fúnebres, o rígido aperto das tábuas do caixão, o negror da noite absoluta, o silêncio como um mar que nos afoga, a invisível, porém sensível, presença do Verme Conquistador, tudo isso com a ideia do ar e da relva lá em cima, a lembrança dos amigos que voariam a salvar-nos se informados de nosso destino e a consciência de que eles jamais poderão ser informados deste destino, e de que nossa desesperada sorte é a do realmente morto, essas considerações, digo, acarretam ao coração que ainda palpita um grau tal de horror espantoso e intolerável que a mais ousada imaginação recua diante dele."

O enterro prematuro é um conto de Edgar Allan Poe que expõe ao leitor - através de uma figura narrativa não identificada - vários casos de pessoas, mulheres ou homens, que padeceram de maneira tão infeliz, sem chance de escapar a cruel destino. Com uma grande aptidão de prender-nos a leitura por meio de um detalhismo quase sufocante, claustrofóbico, Poe nos compele a devorar avidamente cada parágrafo do conto, rumo ao desfecho surpreendente... 

O narrador conta sobre os episódios em que foi acometido com catalepsia e seu medo beirando a paranoia de ser enterrado vivo... O leitor compartilha de sua angustia, enquanto ele descreve as sensações que tinha, as precauções que tomou para sair da tumba caso o enterrassem e ele retornasse... Somos imersos em sua quase loucura e pavor... Certamente foi uma das melhores leituras do desafio #12MesesDePoe. Já tinha lido esse conto anos atrás, mas essa revisita me impressionou como se tivesse sido a primeira vez... É o poder que a escrita do autor tem sobre quem se aventura em suas histórias...


Compras e Recebidos [Junho/2016]

| 29 junho 2016 | 20 Comentários |
Então, pessoal. Trago para vocês mais uma volumosa Caixa de Correio, trazendo tudo o que eu recebi/ganhei/comprei/troquei ao longo do mês de junho... 

Fica até clichê afirmar meu amor pela DarkSide Books. Aproveitando uma promoção da Amazon em comemoração ao mês do Orgulho Nerd, comprei quatro títulos do catálogo pra rechear meu acervo. Hellraiser, de Clive Barker; Tubarão, de Peter Benchley; Sexta-feira 13, de David Grove e The Terminator, de Randall Frakes, Bill Wisher, James Cameron. O de Sexta-feira 13 chegou uns dias depois do primeiro pacote. Tive alguns imprevistos com a primeira entrega mas respirei aliviada quando tive minha caixa em mãos... As edições são maravilhosas, um verdadeiro capricho da editora... Logo que eu fizer as leituras dos que faltam, trago resenha aqui para vocês... 


Logo no comecinho do mês recebi da Editora Novo Conceito o livro Qualquer outro lugar, de A. G. Howard. O livro finaliza a trilogia Splintered, e apesar de não ter lido os dois anteriores, logo trarei a resenha dele pra vocês...



Fiz uma troca pelo Facebook e consegui o mangá Karekano #2 e o livro Cemitério de Elefantes, de Dalton Trevisan. Já tinha lido ambos mas ainda não possuía no acervo e o livro que troquei não seria lido mesmo, então acredito que fiz um bom negócio...


A parceira Hedra me enviou o livro A sombra de Innsmouth, de H. P. Lovecraft e posso dizer que amei. Se quiserem adquirir esse ou outros títulos do autor, é só comprarem por este link, e dessa forma vocês ajudam o blog...


Ainda sobre parcerias, recebi da Editora Companhia das Letras os títulos O livro das ignorãças, de Manoel de Barros e A guerra dos mundos, de H. G. Wells [pelo Dose Literária]. Em breve tem resenha dele por aqui também...


Comprei poucas revistas e quadrinhos. Eis a lista:

Garfield e seus amigos - quadrinhos clássicos de Jim Davis #2
Conan, o bárbaro #66
Conan #42

Alguns dias depois, a edição Sandman: Prelúdio #1 - Neil Gaiman/J.H. Williams III chega na Livraria Saraiva. Meu marido foi buscar, claro... 


Arquivo secreto do medo



No sebo que costumo visitar sempre, fiz umas trocas que me renderam ótimos títulos, são eles:

Condenada - Chuck Palahniuk
A lenda de Sigurd e Gudrúm - J. R. R. Tolkien
Fogo Morto - José Lins do Rego
O sol é para todos - Harper Lee
O vale do terror - Arthur Conan Doyle
Memórias póstumas de Brás Cubas/Dom Casmurro - Machado de Assis


Dias depois, aproveitei uma promoção desse sebo em que vários títulos estavam sendo vendidos a dois reais, comprei:

O que é capitalismo? - Afrânio Mendes Catani
O ladrão de cadáveres - Robert Louis Stevenson
Retrato do artista quando jovem - James Joyce
Rosshalde - Herman Hesse
Sexualidades ocidentais - Philippe Ariès e André Béjin
Fernão Capelo Gaivota - Richard Bach


Ainda no sebo resolvi trocar alguns livros meus por duas coleções de contos. A primeira delas é Monteiro Lobato: obra infantil completa [faltam poucos pra completar minha coleção agora] e a segunda é uma coleção de Estórias e Lendas do Brasil, com cinco volumes: Contos das selvas, do Norte, do Sul, Sertanejos e da terra do ouro. Além de revisitar minha infância com alguns títulos de Lobato, ainda posso usar em sala de aula, bem como os livros de lendas folclóricas...



Ok que não é livro mas eu queria mostrar o mimo que ganhei do meu marido, depois que voltei de uma prova super tensa no dia 19 do mês... Além dos bombons, veio um bloquinho super fofo na caixa. Como sempre os kits da Cacau Show arrasando... 


Ainda durante o mês recebi de Lilian [Poesia na Alma] três títulos da Editora Record: Destino: Poesia, O cotidiano e a História, de Agnes Heller e Bowie, a biografia, de Wendy Leigh. Logo terá resenha deles por aqui também... 


Então é isso. Espero que tenham gostado de minha Caixa de correio. Lotada dessa vez, mas quando não é? ^.~ Tem algun[s] desse[s] título[s] que vocês tem vontade de ler? Me contem nos comentários...

P.s: ignorem a revista Mundo Estranho e a HQ de Batman, foram do Correio passado mas estava com preguiça de tirar fotos atualizadas... 

Caçando Che...

| 28 junho 2016 | 13 Comentários |
Cá estou eu para falar de impressões acerca de alguma leitura, e a bola da vez é para o livro Caçando Che, escrito pelos jornalistas Mitch Weiss e Kevin Maurer. O livro é resultado de pesquisas e entrevistas feitas pelos dois autores sobre um dos eventos históricos mais controversos da história da América Latina contemporânea: a captura e assassinato de Ernesto 'Che' Guevara, bandido comunista para uns, herói revolucionário para outros, mas que independente de que lado você esteja, há de reconhecer que seu nome ascendeu na cultura pop...



Publicado recentemente pela Editora Record, Caçando Che é dividido em três partes. Na primeira delas a abordagem é maior sobre o processo de preparação dos militares - Rangers - responsáveis pela captura do guerrilheiro Che, que se refugiava em algum lugar perdido e desolado da Bolívia. Traz também uma lista de personagens - de ambos os lados - que tiveram participação importante no evento, bem como um mapa do país, marcando as principais cidades envolvidas no processo... 

Vários soldados foram pegos numa emboscada às margens de um rio, e o grupo de captores era formado por guerrilheiros do grupo de Che. Conhecemos um pouco do presidente boliviano, Barrientos, que via na figura de Che um inimigo que poderia colocar em xeque seu governo no país, que se encontrava em crise política... Após descobrirem pistas que forneciam o paradeiro do fugitivo, os militares americanos entram na empreitada, a fim de prenderem o anti-imperialista que já havia causado transtornos anteriormente na politica americana...

Entra em cena Gary Prado, responsável pelo treinamento do grupo intitulado Rangers, que seria responsável por capturar Che e seu bando... A luta americana era pela suposição de que o comunismo iria invadir toda a América do Sul a partir das fronteiras bolivianas, por isso apoiaram o presidente Barrientos para eliminar aquele 'mal' [algo não muito diferente do discurso americano de intervir em vários conflitos de países no Oriente Médio, por exemplo]. Alguns aliados a ideologia de Che são presos, e ai entramos na segunda parte, que dá um enfoque maior aos treinamentos dos soldados americanos aliados aos militares da Bolívia. 

Enquanto eles treinavam de um lado, o grupo de Che se dividia e passaram longas semanas sobrevivendo em território inóspito, volta e meia entrando em conflito com os caçadores e ocasionando corpos tombando crivados de balas... 

O presidente é a figura ambiciosa e sem escrúpulos, e que me rendeu doses de irritação ao longo da leitura... Tendo sido responsável por um massacre na véspera de São João, onde seus soldados abriram fogo contra mineiros que haviam protestado pedindo reajuste salarial. Não demonstrou remorsos pelo ato e ainda atribuiu a culpa aos próprios mineiros, que haviam - segundo ele - 'provocado' os soldados. 

Apesar dos recursos insuficientes e de preparo precoce, ele ainda apressava os Rangers para começarem a caçada, a fim de aumentar os índices de sua popularidade perante a nação descontente. Ele queria a cabeça de Che Guevara para salvar a sua própria... A parte final aborda a partir do momento em que Che é preso e levado a La Higuera. Os superiores são avisados por mensagem e logo começam os boatos de que o guerrilheiro já está morto, que foi capturado vivo mas morreu devido aos ferimentos, e o tempo se escoa para Che, mesmo tendo Rodriguez [que era da CIA] - incumbido de caçar Che junto com Prado tentando apelar por sua vida, pois durante o confinamento de Guevara, e durante as poucas conversas com o prisioneiro, ele acabou sentindo respeito pela figura que estava a sua frente, sem temer a morte que lhe era certa a qualquer momento... 

Provavelmente -  são conjecturas minhas - Félix Rodriguez conheceu um pouco do homem por trás da figura de Che e até o admirou por tudo aquilo. Anos depois, apesar da relutância em conceder a entrevista para falar novamente sobre o caso, ele fala sobre o personagem histórico com respeito ao comandante boliviano. Nos trechos finais, os autores discorrem sobre as noticias acerca da morte de Che Guevara, sobre o paradeiro de seu corpo, encontrado anos depois numa vala comum e anônima, sobre a fama de seu nome na Bolívia atual, do apoio e homenagem de Fidel Castro em Cuba, a seu amigo. Há também algumas fotografias de Che morto, e de alguns participantes de sua prisão... Traz alguns dados bibliográficos usados na elaboração do livro e conjecturas acerca da fama com moldes de capital que Che hoje inspira...

Em suma, é uma leitura para curiosos sobre o personagem histórico, não deixa clara a ideologia política dos autores, como a princípio tive a impressão que fosse e se compromete a registrar de maneira imparcial - acredito - os depoimentos das pessoas envolvidas no processo...

A bela poesia d'O livro das Ignorãças, de Manoel de Barros

| 26 junho 2016 | 13 Comentários |

Há alguns anos tive o prazer de conhecer a poesia de Manoel de Barros e de lá pra cá, sempre estou [re]visitando seus versos... Em parceria com a Editora Companhia das Letras, solicitei O livro das ignorãças, publicado pelo Selo Alfaguara e pude matar a saudade do 'Maneco', disparado - um de meus poetas brasileiros preferidos...

No decorrer de seus versos, eu consigo visualizar as paisagens que o poeta descreve, com os absurdos que a licença poética é capaz de nos proporcionar. Pode parecer irreal, mas para uma mente que se entregue ao deleite da leitura de Manoel, 'escutar a cor dos peixes', 'levantar ventos com alavanca' e 'palestrar com formigas' não é tarefa difícil...

"Eu sou culpado de mim.
Vou nunca mais ter nascido em agosto.
No chão da minha voz tem um outono.
Sobre meu rosto vem dormir a noite."

O elemento natureza permeia toda a obra do autor, enriquece nosso sensorial de maneira sublime, pois ele mistura com delicadeza elementos naturais e emoções humanas como poucos podem fazer. Recria a fala popular, abusa de metáforas e transforma as palavras conjuntas em obras de arte.

"Aprecio viver em lugares decadentes por gosto de estar entre pedras e lagartos. Fazer o desprezível ser prezado é coisa que me apraz."

Ao fim de suas poesias, a nova edição de O livro das ignorãças traz uma cronologia sobre a vida e obra de Manoel, bem como algumas imagens do poeta e sua família, trechos de bilhetes endereçados a ele e uma rica bibliografia sobre as publicações que falam dele e seus livros. 

É através de Manoel de Barros que a voz dos esquecidos e marginalizados ganha status de riqueza erudita. Os cenários do Pantanal ilustram a poesia de seu conterrâneo, natural do Mato Grosso. Ler Manoel é delírio, comoção, beleza e amplitude. 'É ignorãça ignorar' o poder de sua poética...


A poesia maranhense de Luís Cassas em A mulher que matou Ana Paula Usher

| 24 junho 2016 | 12 Comentários |
Recentemente conheci um autor maranhense, de nome Luís Augusto Cassas e resolvi compartilhar com vocês minhas impressões acerca de sua poesia... O livro em questão se chama A mulher que matou Ana Paula Usher, e além de uma bela capa, nos traz também poesia de qualidade... 

A poesia de Cassas nos fala de amor, que é trágico e feliz [por que não?] ao mesmo tempo. Por ter provado do suave veneno mortal das paixões voluptuosas, o poeta se encontra liberto das amarras de tal sentimento. Renova-se como uma fênix em conceitos de morte e nos brinda com arquétipos de mitos gregos e fé... 
A paixão dos homens é o alimento da obra do poeta. É o amor divinizado, dolorido, bestial e impetuoso que permeia as páginas de A mulher que matou Ana Paula. São versos que fazem o leitor entrar em combustão de sentidos, numa linguagem simbólica e sem rodeios... 

A poesia de Luís Cassas perturba o leitor, incomoda. Bate e beija. Acaricia e mata. Mas nos traz de volta aos devaneios e pensamentos cotidianos...


Poesia Viva
"na página aberta
do teu corpo escrevo
amor vulcão fúria

e expulso os beatos
que rezaram - incautos
a cantilena da amargura."

O livro é uma publicação da Editora Imago...

DarkSide Books + Promoção Casadinha no Submarino = Leitor comprando feliz

| 23 junho 2016 | 9 Comentários |
Olá, pessoal. Como estão vocês nessa véspera de feriado? Muitos já estão de folga hoje e aproveitando pra tirar o atraso das leituras e diminuir a pilha de não-lidos da estante, correto? Mas então a Editora DarkSide Books vem nos tentar e lança uma promoção super bacana no Submarino.

Curioso? Clica no link e você vai ver ;)



Pois é, a caveirinha mais querida dos leitores brasileiros não descansa... Mas corra que é só hoje, hein? Quais você pretende adicionar na estante? Me conta aí nos comentários...
Até a próxima, beijos... ^.~


Hellraiser... In the thunder and heat... ♫♪ - Uma obra clássica do Cinema de Terror publicada pela DarkSide...

| 21 junho 2016 | 18 Comentários |
Logo que fiz a compra de Hellraiser pela Amazon e o pacote de livros chegou aqui em casa, não consegui ignorar o chamado do Cubo de LeMarchand da minha estante e me pus a acompanhar a história de Frank Cotton com os Cenobitas. Por ser fã da franquia de filmes, era um título da Editora DarkSide Books que eu sentia como dever possuir em meu acervo... 


Frank está cansado, depois de várias horas tentando abrir o misterioso cubo adquirido em uma de suas muitas viagens, e o amigo que lhe contou sobre o artefato disse que ele teria todo o prazer que o mundo comum já não lhe proporcionava. Quando finalmente desvenda o mecanismo da caixa, algo que vai muito além do 'prazer' o aguarda...

"Sua depravação mais caprichosa é brinquedo de criança se comparada às experiências que oferecemos." 

Algum tempo depois, Rory e Julia se mudam para aquela casa da Lodovico Street. Após arrumarem os cômodos e caixas da melhor maneira possível, Julia se depara com um quarto que lhe proporciona um estranho mal-estar, mas que passa a ser seu refúgio, quando remói as lembranças de seu casamento com Rory e da primeira e única vez que sentiu Frank dentro de si, irmão de seu noivo... Não demora muito para ela descobrir o paradeiro do cunhado, que havia estado naquela casa no verão passado e de repente desapareceu sem deixar vestígios... Mas ela jamais imaginaria a maneira como iria reencontrá-lo...

"o corpo tinha sido feito em pedaços e recosturado com a maior parte das peças faltando ou retorcidas e enegrecidas, como se estivessem em um forno."

Há ainda a presença de Kirsty, apaixonada por Rory, que suspeita das mudanças no comportamento de Julia e descobre o que há de mais grotesco e apavorante acontecendo na casa do casal... E logo se vê envolvida numa situação que pode colocar sua vida [e alma] em risco... 

" - Você o fez na ignorância - o visitante afirmou. - Estou certo?
- sim.
- Já aconteceu antes - foi a resposta. - Mas não faz diferença. Não há como fechar a Cisão até que nós apanhemos o que nos pertence..." 

Com uma narrativa descritiva no ponto ideal para prender o leitor, o aclamado Clive Barker nos conduz a uma corrida de Julia e Frank contra o tempo, a fim de que ele se livre de seus captores, demônios que vivem do sádico prazer de torturar, rasgar e costurar membros e almas... Com diferenças sutis do clássico que estreou nos cinemas em 1987, Hellraiser vem como um presente para os fãs do lendário Pinhead e seus 'amigos', tortuosos, escarificados e repletos de perfurações grotescas e horripilantes... 


Sobre a diagramação, mais uma vez a Darkside fez um verdadeiro espetáculo. A edição possui uma capa dura belíssima com detalhes dourados e páginas amareladas, que facilitam a leitura. A única coisa ruim do livro é que se trata de uma história de apenas 160 páginas. Poderiam ser mil, que eu leria sem reclamar... Indispensável para os apaixonados pela franquia, por quem tem amor aos clássicos e se deixa cativar com uma obra-prima bem escrita... 


Postagem relacionada

Lana Del Rey Book Tag

| 20 junho 2016 | 11 Comentários |
Vi essa tag no blog Menina da Bahia e resolvi responder aqui no blog. Como muitos já sabem, amo tags, ainda mais quando se tem a diva 'queria STARMORTAfeat.LANADELREY' envolvida. Então, vamos lá... Aproveitei pra soltar o post perto de seu aniversário hehehe


1. National Anthem- Um Clássico:
Eugênia Grandet, de Honoré de Balzac. Um dos melhores títulos que já tive o prazer de ler...

2. Born To Die- Um livro que o(s) protagonista(s) morre(m):
Selvagens, Don Winslow. Eletrizante, apaixonante [jeito meio Tarantino de ser].

3. Ride- Um livro que se passe na estrada:
On the Road, de Jack Kerouac. Esse livro é uma verdadeira ode à estrada...

4. Florida Kilos- Um livro ambientado na Flórida:
Tá difícil encontrar algum... vou ficar devendo essa resposta...

5. Young & Beautiful- Um livro sobre juventude:
Rumble Fish - Susan E. Hinton. Simboliza a juventude regada a brilhantina no topete, à gangues, aos anos 80, uma juventude transviada...

6. Without You- Um livro que não dá pra viver sem:
O diário de Anne Frank. Acho que foi a partir de Anne que nasceu meu amor por História... 

7. Shades Of Cool- Um livro com uma história de amor complicada:
O morro dos ventos uivantes, de Emilie Brontë. Não diria nem amor, mas uma obsessão doentia e eterna... um amor avassalador...

8. Summertime Sadness- Um livro que tenha passado no Verão:
Quando os Adams saíram de férias, de Mendal W. Johnson. Lembro que a experiência foi traumatizante... ainda pretendo reler para resenhar por aqui...

9. Dark Paradise- Um livro que te deixou triste:
Meu pé de laranja lima, de José Mauro de Vasconcelos. Chorei e ainda me sinto triste quando lembro de trechos dessa história... 

10. Cola- Um livro ousado:
Trainspotting, de Irvine Welsh. Ousadia é pouco para definir esse livro foda...

11. Gods & Monsters- Um livro com personagens marcados (emocionalmente) durante a vida:
Garota, interrompida - Susanna Kaysen. Acredito que esse se encaixa perfeitamente por aqui... 

12. Lolita- Um livro que te marcou:
Na natureza Selvagem - Jon Krakauer. Essa leitura foi como um divisor de águas para mim...

13. Million Dollar Man- Um livro com protagonista milionário:
O grande Gatsby - F. Scott Fitzgerald. Outro livro que vale uma releitura... 

14. This Is What Makes Us Girls- Um livro feminista:
Antígona, de Sófocles. Antígona foi ousada além de seu tempo, e pretendo ter em minha estante, pois li emprestado...

15. Music To Watch Boys To- Um livro sobre atração à primeira vista: 
Último Tango em Paris - Robert Alley. Não poderia colocar outro aqui além dele... 



Bem, espero que tenham curtido minhas respostas. Conhecem alguma[s] dessa[s] obra[s]? Me contem nos comentários... ^.~ 

Lançamento - DarkSide Books

| 17 junho 2016 | 10 Comentários |



Sinopse do Skoob:

Danny Orchard conseguiu enganar a morte e ganhou uma segunda chance para viver. Só que ele não voltou do inferno sozinho. Em Os Condenados, Andrew Pyper, autor do fenômeno O Demonologista, explora as conexões de amor e ódio entre irmãos gêmeos, numa história sobrenatural digna de pesadelos.
Danny passou por uma experiência de quase-morte em um incêndio há mais de vinte anos. Sua irmã gêmea, Ashleigh, não teve a mesma sorte. Danny conseguiu transformar sua tragédia pessoal em um livro que se tornaria um grande best- seller. Ainda que isso não signifique que ele tenha conseguido superar a morte da irmã. Claro, ela nunca mais o deixaria em paz.
Mesmo depois de morta, Ash continua sendo uma garota vingativa e egoísta, como sempre. Mas agora que seu irmão finalmente tenta levar uma vida normal, ela se torna cada vez mais possessiva. Danny parece condenado à solidão. Qualquer chance de felicidade é destruída pelo fantasma de seu passado, e se aproximar de outras pessoas significa colocá-las em risco.

Os Condenados
Autor: Andrew Pyper
Ano: 2016 / Páginas: 320
Idioma: português 
Editora: Darkside Books


#Lendo Sandman - Convergência [7º arco]

| 16 junho 2016 | 6 Comentários |

Neste 7º arco do projeto de leitura #LendoSandman iremos conhecer algumas histórias que não possuem ligação direta com a trama principal e ao mesmo tempo fazem com que fiquemos mais familiarizados com o papel do Sonhar em nossas vidas.... Convergência possui apenas três edições e na primeira delas, A caçada, um avô conta para sua neta uma história antiga, sobre um rapaz que encontra uma velha na floresta e esta lhe dá uma sacola com alguns itens importantes dentro dela... O rapaz é um lobisomem e logo ele se depara com o desejo de ter uma bela moça para si, e munido com sua fotografia, ele parte em busca de sua amada... Temos referência ao folclore do Leste Europeu, com a presença de Baba Yaga e seu pilão ajudando o rapaz a chegar em algum lugar... porém, ele logo se dá conta que nem todos os nossos desejos podem ser atendidos, e que às vezes, é melhor mesmo que eles não sejam...

Lugares Maleáveis nos traz a figura de um jovem Marco Polo, perdido no deserto. numa região entre o mundo real e o Sonhar, conhecida como Zona Abstrata. Lá, ele encontra Rustichello, que chegou ali por causa de um sonho. Nesse momento, ele se encontra preso e escreve a história que lhe foi ditada por Marco Polo, numa idade mais avançada... O sonho de um e outro se mesclam, e quando se vê novamente sozinho naquele lugar desconhecido, ele encontra um homem pálido e misterioso que lhe concede passagem ao mundo real, pois Marco Polo lhe deu de beber, pois ele se encontrava muito enfraquecido... Como forma de gratidão para com o jovem rapaz, o homem misterioso [Morpheus]  faz com que ele retorne ao seu lugar e ele reencontra a caravana que estava com ele quando se perdeu nas areias desérticas...

Por último, mas não menos importante, temos a história de Adão, Eva e seus filhos Caim e Abel. Parlamento das Gralhas retrata uma das visitas de Daniel ao reino de Sandman. Ele encontra a Casa dos Segredos e três contadores de histórias, que são representados por Caim e Abel e sua mãe Eva. O bebê Daniel ouve três histórias contada por cada um deles. É partindo daí que descobrimos que Eva foi uma das três esposas de Adão [a história faz alusão a Lilith], como os irmãos foram parar no Sonhar e descobrimos também o segredo do parlamento das gralhas, que dá nome a edição #40... 

Convergência é um arco extra que está presente na edição Fábulas & Reflexões, juntamente com as edições de Espelhos Distantes [edições 29, 30 e 31] e Ramadã [edição 50]. Este último será discutido em breve, junto com o 8º arco de Sandman, Vidas Breves
Espero que tenham curtido a resenha, beijos e até a próxima... ^.~


Gon desce o rio - Masashi Tanaka

| 15 junho 2016 | 12 Comentários |
Gon desce o rio é um mangá de autoria de Masashi Tanaka e uma de suas principais características - além de um dinossauro filhote como protagonista - é o fato do quadrinho não possuir balões de fala. A princípio, você pode se perguntar como uma história se mantém sem diálogos, mas a resposta está na incrível expressividade encontrada nos personagens desenhados. Quem curte o universo dos quadrinhos japoneses sabe o quão impactantes são os olhos nesse estilo de desenho, muitas vezes tornando desnecessários qualquer fala para compreensão da trama...



Dividido em quatro capítulos, Gon se encontra com vários animais na floresta, ao descer a correnteza de um rio, ser quase devorado por piranhas ou até mesmo 'passear' no lombo de botos cor-de-rosa. Apesar de simpático, o pequeno dinossauro pode manter um olhar feroz a fim de espantar seus opositores, e é dessa forma que ele defende filhotes de várias espécies contra os ataques de um lobo - que na verdade só queria mesmo alimentar os seus...

É impressionante o trabalho gráfico de Gon, as ilustrações são um show visual e explicam bem o porquê dos balões de fala serem dispensáveis nesse tipo de história. Alguns podem achar mais fácil e rápida uma leitura visual, mas acredito que pelo fato de as imagens contarem a história, é necessária maior atenção por parte do leitor para deleitar-se com as nuances em tons de cinza que compõem a obra...


O mangaká Musashi recebeu o prêmio Eisner pela série Gon nas categorias de melhor publicação para público jovem e obras de humor, é considerado um grande artista em seu meio e é detentor dos prêmios Osamu Tezuka em 1998 e Tetsuya Chiba em 1985. Os cenários que ambientam o cotidiano de Gon não se prendem a um local em específico, nem a épocas.  É possível encontrar o pequeno dino na selva africana ou na floresta amazônica. 

Em suma, é uma 'leitura' divertida e graciosa, ideal para curar ressacas literárias ou para encantar aqueles que tem apreço por natureza e seus animais... Aos mangakás, uma excelente aquisição para se ter na estante...

Wall - E e a crítica por trás de um amor entre robôs...

| 13 junho 2016 | 15 Comentários |
Certamente você já viu ou ao menos ouviu falar no Desenho animado da Pixar/Disney, de um robozinho fofinho que cata lixo e se apaixona por uma robozinha branca que guarda uma plantinha, não é? Mas, se por um acaso você não for do planeta Terra [acontece!] será a primeira vez que você verá uma menção sobre Wall - E. E ouso ir mais além mostrando a vocês que passam por aqui, que além da animação de sucesso, temos também uma HQ da história do filme. Ficou curioso[a]? Então continue lendo aqui...

Claro que - como fã da animação - não poderia deixar passar a chance de adquirir meu exemplar em mangá. Em 2105, os humanos foram viver no espaço, deixando o planeta Terra para trás, cheio de escombros, sujeira e ruínas. Milhares de robôs se encarregaram de fazer uma limpeza geral e só quando o planeta estivesse limpo novamente, os humanos retornariam ao planeta. Uma pena que a limpeza nunca acabou... Mais de 700 anos depois conhecemos um robô Wall-E [Waste Allocation Load Lifter - Earth Class, Transportador e Compactador de lixo terrestre, numa tradução livre], que passa seus dias a vagar pelas montanhas de lixo, sem plantas, sem água, sem vida. Ele funciona como uma espécie de catador, recolhe objetos que acha interessantes e os organiza em sua 'casa'. As demais coisas são compactadas e empilhadas. Além do lixo, ele tem uma pequena barata por companhia, Hal.

Ao contrário do que muitos podem pensar, Wall-e tem sentimentos e é muito fofo. Mas um belo dia, ele encontra uma plantinha e logo aparece uma nave pousando perto dele e dela sai uma robô branquinha e arrendondada, com um designer mais 'arrojado' do que nosso pequeno protagonista, feito de 'remendos de sucata'... Essa robô se chama Eve [Eva] e seu dever é encontrar vestígios de vida no planeta. Logo, ambos embarcam numa aventura regada a desafios, danças no espaço e uma importante crítica ao ser humano e sua imundície...


Os humanos que conhecemos não passam de parasitas que vivem às custas de robôs, entregues por completo ao consumismo e comodismo, chegando ao ponto de nem virarem a cabeça para se cumprimentar, vivendo numa nave onde um mecanismo tenta impedir que qualquer sinal de vida os leve de volta para a Terra. A história, seja no filme ou no quadrinho, nos coloca em reflexão acerca do quanto a modernidade e tecnologia nos torna estéreis e frios. As relações humanas há muito se perderam, bem como o contato com a natureza. Tudo é artificial, e quando surge a plantinha verde, uma esperança renasce junto com ela... Seria muito tarde para salvar o planeta? Serve como um verdadeiro alerta sobre o lixo que produzimos em nosso 'lar azul'... 


A trama funciona bem para adultos, crianças, pessoas de todas as idades. Por trás do 'romance' entre Eva e Wall-e, se desenvolve uma bonita história que nos faz refletir e repensar nossos hábitos e valores... Em suma, a novelização é bem fiel ao desenho animado, não trazendo nada de novo para quem viu o filme. Mas achei bem válido ter na estante... A obra é uma publicação da Editora Abril...

Os segredos Matematicos dos Simpsons

| 10 junho 2016 | 9 Comentários |
Recebi o titulo Os segredos matemáticos dos Simpsons do autor Simon Singh, publicado pela Editora Record e confesso que depois da leitura, realmente sou uma pessoa da área de Humanas. Escolhi a obra a titulo de curiosidade, por gostar da serie animada, e mesmo prevendo encontrar vários termos matemáticos ao longo da leitura, resolvi encarar a leitura de cabeça aberta... Nao posso dizer que a leitura foi de todo ruim, o problema é que os termos utilizados me soaram bem complicados, talvez pelo fato de eu não simpatizar realmente com a arte dos números...



Porem, a linguagem do livro é bastante acessível, ate para quem é leigo, e se você gostar de números e dos Simpsons, certamente vai apreciar bastante esse livro... Foi interessante descobrir as varias referencias matemáticas ao longo dos episódios e que passam despercebidas por olhares leigos, e ouso dizer que os autores da serie foram brilhantes em construir todo um universo matemático a partir das cenas e diálogos. O livro traz desde piadas nerds até formulas mais complexas que explicam ou [complicam] a cabeça do telespectador. 



Temos referencias a Albert Einstein e a sua equação cientifica E = mc2, numa cena com Maggie a brincar com blocos com números, o numero Pi em episódios como Homer Torta, com trocadilhos que só funcionam mesmo em inglês para se entender as piadas. Thomas Edison também é citado no inicio do livro, e - acredite - o donut de Homer também traz algo de matemático em si. 



Cubo de Rubik, Tabua de Galton, Fegoritmos e Equação de Euler são termos familiares a você?
Nem pra mim. Mas estão todos esmiuçados ao longo dos capítulos, em exemplos tirados completamente de diversos episódios do desenho animado...

Com relação a diagramação, o livro é bem ilustrado, tem uma capa lindíssima e algumas fotografias dos criadores de Os Simpsons e ilustrações, até mesmo de Futurama também. Em suma, a leitura pode ser até divertida se você tem curiosidade, aptidão e bem-querer pelas ciências exatas, mas se números te deixam impaciente e de mau-humor, pode ser que a leitura se mostre cansativa em alguns momentos... De qualquer forma, é uma leitura incomum e tem seu valor...

A bela poesia de Cícero Almeida: Máquina de inventar instantes

| 08 junho 2016 | 5 Comentários |
Máquina de inventar instantes é um daqueles livros singelos, que carregam graciosidade e profundidade em seus versos. O autor é de Fortaleza - Ceará, e traz enraizado em cada linha uma profunda necessidade de encantar quem o lê - mas que não se esforça pra isso - pois sua poética é suficiente para deixar o leitor enlevado em uma prazerosa leitura...

O foco maior dos poemas são a imortalidade e o devir, os instantes que podem se tornar eternos... possuem um lirismo único e subjetivo. Para um público sensível é provável que o livro vá satisfazer. No início há um prefácio que apresenta o conteúdo e suas particularidades, a fim de que o leitor possa entender o que irá encontrar nas páginas seguintes...
"nesta terra de ninguém,
a gente que se vire
entre os prédios
é isto."

Máquina de inventar instantes é sobre ser, sobre estar, é viver 'entre'. Cícero Almeida é de uma delicadeza ímpar, e se desnuda em versos, metáforas e simbolismos... Um verdadeiro achado em meio a tantas palavras vazias publicadas nos últimos tempos... 

"hoje a noite ficou tão lúcida
que meus olhos viraram
estrelas."

A obra é uma publicação da Premius Editora e possui apenas 95 páginas, mas que são suficientes para nos dar a sensação de renovar a alma... 


Compras e Recebidos [Maio/2016]

| 07 junho 2016 | 9 Comentários |
Olá, pessoas. Prontos para mais uma caixa de correio? Posso assegurar que tem MUITA coisa esse mês... Acho que nunca tinha recebido tanta coisa ao mesmo tempo... Então vamos lá...

Ganhei o livro O que há de estranho em mim + marcadores e recebi logo no inicio do mês, em breve farei a leitura dele... Foi uma promoção do blog Livros e Flores...



Com relação às compras, mesmo tendo dito que não compraria mais livros até diminuir de forma considerável os não-lidos da estante e por estar recebendo vários de parceria, abri uma exceção quando vi os dois primeiros volumes da Coleção Folha:

A fugitiva [Marcel Proust]
O misterioso caso de Benjamin Button [F. Scott Fitzgerald] - já lido e resenhado aqui.


Aproveitei uma promoção na Estante virtual e comprei O passado esteve aqui - Stella Carr. Paguei apenas 3 pilas nele... Li esse livro ainda na adolescência, quando trabalhava como bibliotecária numa creche perto da casa dos meus pais... A nostalgia bateu, o preço contribuiu e hoje ele se encontra em minha estante...



Quanto aos quadrinhos, os únicos comprados foram:

Conan O cimério #43
A saga do monstro do pântano #3
Batman - Neil Gaiman


Quando eu tiver lido a edição 4 de O monstro do pântano, trago os dois em uma resenha dupla, como fiz com os dois primeiros. Você pode conferir aqui a resenha dupla...

Comprei duas revistas [não resisti]: Mundo Estranho Especial #180 - A e Guia Conhecer Fantástico Vampiros e Zumbis. Ainda não tive tempo de ler ambas, mas já dei uma folheada...



Chegou em parceria com a Editora Companhia das Letras o livro Diário do Farol, pelo selo Alfaguara, de João Ubaldo Ribeiro. Logo terá resenha dele no Dose Literária e aqui também... 


Coraline - Neil Gaiman. Presente de meu amigo Carlinhos, não preciso dizer o quanto fiquei feliz, não é? Se trata de mais um título do meu Gaiman no Acervo... que aos poucos vai aumentando, e foram duas aquisições esse mês... Na imagem abaixo, vocês podem conferir os demais quadrinhos que possuo... 



Acabei viajando pra passar um fim de semana em Aracaju, na casa da minha amiga Lilian, e voltei com excesso de peso na bagagem, literalmente... Ainda bem que não foi necessário pagar pelo peso extra na rodoviária... Eis os brindes, livros e mimos que ganhei... 


Vocês não tem noção do peso disso na mala [hahahahaha] mas valeu a pena, fiz algumas das leituras, e escolhi os que ficarão pra mim, os demais serão doados na minha Roda de Leitura, para sorteio entre os participantes... Não sou egoísta pra ficar com livro que não tem nada a ver comigo na estante, e sei que meus alunos e amigos farão melhor proveito de alguns títulos do que eu...


Além de livros, vieram dezenas de marcadores, postais, bottons, caixinhas de madeira, ecobags, livretos... E não vamos esquecer as inúmeras revistas e material que vou usar em sala de aula, de cunho social-pedagógico e afins... 


Quando chego em casa, os Correios me fazem visita. Acabei recebendo os livros Os afogados e os sobreviventes, de Primo Levi e Histórias de duas cidades, ambos da Editora Record... Em breve tem resenha deles no blog Poesia na Alma e por aqui...


Então é isso. Espero que tenham curtido minha Caixinha de Correio. Beijos e até a próxima... ^.~



Minha 7ª Tattoo - Símbolo de Sagitário.

| 06 junho 2016 | 12 Comentários |
Já tem um tempinho que não trago outra postagem dessas por aqui... Geralmente eu posto algo sobre minhas tatuagens quando a vontade de fazer uma próxima aumenta... Pois bem... tentarei fazer uma nas férias do meio do ano... Espero conseguir grana pra isso...


Bom, não tem muito o que explicar de seu significado pra mim, em virtude de eu ser sagitariana. Tive um probleminha com ela porque na região do pescoço costuma doer e acabei mexendo e ficou tortinha, mas em breve pretendo consertá-la... Acho que não estava muito à vontade no dia, então fica a dica [para as gurias]: nada de se tatuar 'naqueles dias'. Pelo menos comigo, não rolou de forma tranquila, estava meio incomodada com cólicas e acredito que isso tenha prejudicado um pouco as coisas... Enfim...

Abaixo deixo uma descrição do significado do símbolo - uma flecha. Não lembro onde tirei o texto, se eu lembrar, volto aqui e atualizo o post...



"Sagitário cujo símbolo é a flecha que aponta para o céu. Aponta para a amplidão, para o além da linha do horizonte. Este é o significado da abundância. Este desejo do muito que o torna capaz de gerar abundância. Para Sagitário o que importa é atingir uma meta. Assim como seu animal mitológico, o centauro, meio cavalo, meio homem, ele apresenta uma energia vigorosa e fogosa na busca do metafísico.

Expansivos, fazem o tipo jovial, amantes da vida.
Gostam de se mostrar confiantes e amam a vida ao ar livre, os amplos espaços e, principalmente a sensação da liberdade. Porém não se enganem, Sagitário oscila entre a euforia e a depressão. Entre o otimismo desmedido ou uma inconsolável descrença. Isto porque fé e acreditar são palavras chaves do signo.

Esta linha mestre de arqueiro, buscando sempre o que está fora de alcance, faz com que Sagitário esteja sempre procurando ultrapassar limites. Quando imbuído do sentimento da meta, Sagitário concilia sim, a força animal com a abstração divina. Depois dizem dele que é portador de sorte.
Na verdade, creio que é a exuberância que traz sorte. A sede de viver de Sagitário faz com que ele se volte para o conhecimento, para as questões culturais e filosóficas.
É um questionador.

Com amigos, busca a harmonia ao grupo onde pertence e irá criar sua micro-comunidade entre os amigos. Aliás, por vezes, os amigos importam acima de tudo. Se jogam entusiasmadamente no fogo do amor. Sagitários adoram novidade e são naturalmente sedutores. É do instinto. Chegam a reclamar depois que não sabem porque apareceu aquele clima... Para cortejar, Sagitário é espontâneo e impaciente.  Não vê problema algum em tomar iniciativa, brincar de seduzir e assim, muitas vezes acaba se queimando também. O caçador se apaixona pela presa.

Sagitários se sentem atraídos por pessoas inteligentes, livres, dinâmicas ... pessoas por vezes fugazes. Sorte para Sagitário que inicialmente não se preocupa com compromissos casamenteiros.
Até chegar a hora de desejar assentar num relacionamento.
Neste momento, a(o) companheira(o) que desejar percorrer um longo caminho ao lado de Sagitário deverá fazer com que a relação seja sempre estimulante."

As partes do texto em destaque são as que mais se assemelham comigo... Eu sou dessas que acredita em várias coisas relacionadas a signo... se não fosse, não tatuaria... 

Ela foi feita em 07 de fevereiro de 2011. São 5 anos na pele... Espero que tenham curtido o post... E logo volto aqui pra falar sobre mais um de meus 'riscos'. hehe
beijos...

Lançamentos - DarkSide Books

| 03 junho 2016 | 8 Comentários |
Gente, a DarkSide Books anda querendo falir minha conta bancária, e a cada mês sai um lançamento diferente que deixa o leitor empolgado pra aumentar o acervo da editora na estante, não é? Hoje trago mais alguns pra vocês... Espero que gostem das novidades...


O Último Adeus 
Selo: DarkLove
Autora: Cynthia Hand
352 páginas
2016

Sinopse/Skoob: 
O Último Adeus é narrado em primeira pessoa por Lex, uma garota de 18 anos que começa a escrever um diário a pedido do seu terapeuta, como forma de conseguir expressar seus sentimentos retraídos. Há apenas sete semanas, Tyler, seu irmão mais novo, cometeu suicídio, e ela não consegue mais se lembrar de como é se sentir feliz. 

O divórcio dos seus pais, as provas para entrar na universidade, os gastos com seu carro velho. Ter que lidar com a rotina mergulhada numa apatia profunda é um desafio diário que ela não tem como evitar. E no meio desse vazio, Lex e sua mãe começam a sentir a presença do irmão. Fantasma, loucura ou apenas a saudade falando alto? Eis uma das grandes questões desse livro apaixonante. 

O Último Adeus é sobre o que vem depois da morte, quando todo mundo parece estar seguindo adiante com sua própria vida, menos você. Lex busca uma forma de lidar com seus sentimentos e tem apenas nós, leitores, como amigos e confidentes.




Em algum lugar nas estrelas
Autora: Clare Vanderpool
272 páginas
2016

Sinopse/Skoob:

Romance intenso sobre a difícil arte de crescer em um mundo que nem sempre parece satisfeito com a nossa presença. Pelo menos é desse jeito que as coisas têm acontecido para Jack Baker. A Segunda Guerra Mundial estava no fim, mas ele não tinha motivos para comemorar. Sua mãe morreu e seu pai... bem, seu pai nunca demonstrou se preocupar muito com o filho. Jack é então levado para um internato no Maine (o mesmo estado onde vivem Stephen King e boa parte de seus personagens). O colégio militar, o oceano que ele nunca tinha visto, a indiferença dos outros alunos: tudo aquilo faz Jack se sentir pequeno. Até ele conhecer o enigmático Early Auden.

Early, um nome que poderia ser traduzido como precoce, é uma descrição muito adequada para um prodígio como ele, que decifra casas decimais do número Pi como se lesse uma odisseia. Mas, por trás de sua genialidade, há uma enorme dificuldade de se relacionar com o mundo e de lidar com seus sentimentos e com as pessoas ao seu redor.

Obsessivo, Early Auden tem regras específicas sobre que músicas deve ouvir em cada dia da semana: Louis Armstrong às segundas; Sinatra às quartas; Glenn Miller às sextas; Mozart aos domingos e Billie Holiday sempre que estiver chovendo. Seu comportamento é um dos muitos indícios da síndrome de Asperger, uma forma branda de autismo que só seria descoberta muito tempo depois da Segunda Guerra, e que inspirou personagens já clássicos como o Sr. Spock (Star Trek), o Dr. House e Sheldon Cooper (The Big Bang Theory).

Quando chegam as festas de fim de ano, a escola fica vazia. Todos os alunos voltam paracasa, para celebrar com suas famílias. Todos, menos Jack e Early. Os dois aproveitam a solidão involuntária e partem em uma jornada ao encontro do lendário Urso Apalache. Nessa grande aventura, vão encontrar piratas, seres fantásticos e até, quem sabe, uma maneira de trazer os mortos de volta ainda que talvez do que Jack mais precise seja aprender a deixá-los em paz.

EM ALGUM LUGAR NAS ESTRELAS é uma daquelas grandes histórias que permanecem com você por muito tempo, perfeita para ler entre amigos ou passar de pai para filho. Tudo que é real pode ser uma grande fantasia ou uma coincidência inevitável. Somos muito mais que um simples desejo do acaso. Nossos caminhos vão se cruzar no primeiro semestre de 2016 nesta obra premiada com o Printz Honow Award em 2016, indicada a outra dezena de prêmios e eleita o livro do ano em dezenas de listas preparadas pelos leitores.



O menino que desenhava monstros
Autor: Keith Donohue
256 páginas
2016

Sinopse/Skoob:

Um livro para fazer você fechar as cortinas e conferir se não há nada embaixo da cama antes de dormir. O Menino que Desenhava Monstros ganhará uma adaptação para os cinemas, dirigida por ninguém menos que James Wan, o diretor de Jogos Mortais e Invocação do Mal.

Jack Peter é um garoto de 10 anos com síndrome de Asperger que quase se afogou no mar três anos antes. Desde então, ele só sai de casa para ir ao médico. Jack está convencido de que há de monstros embaixo de sua cama e à espreita em cada canto. Certo dia, acaba agredindo a mãe sem querer, ao achar que ela era um dos monstros que habitavam seus sonhos. Ela, por sua vez, sente cada vez mais medo do filho e tenta buscar ajuda, mas o marido acha que é só uma fase e que isso tudo vai passar.

Não demora muito até que o pai de Jack também comece a ver coisas estranhas. Uma aparição que surge onde quer que ele olhe. Sua esposa passa a ouvir sons que vêm do oceano e parecem forçar a entrada de sua casa. Enquanto as pessoas ao redor de Jack são assombradas pelo que acham que estão vendo, os monstros que Jack desenha em seu caderno começam a se tornar reais e podem estar relacionados a grandes tragédias que ocorreram na região. Padres são chamados, histórias são contadas, janelas batem. E os monstros parecem se aproximar cada vez mais.

Na superfície, O Menino que Desenhava Monstros é uma história sobre pais fazendo o melhor para criar um filho com certo grau de autismo, mas é também uma história sobre fantasmas, monstros, mistérios e um passado ainda mais assustador. O romance de Keith Donohue é um thriller psicológico que mistura fantasia e realidade para surpreender o leitor do início ao fim ao evocar o clima das histórias de terror japonesas.



Tem romance, Fantasia, Suspense... Pra todos os gostos, como só a Editora DarkSide Books tem o talento em nos oferecer... Já escolheu qual[is] dele[s] vai engordar seu acervo? Me conta aí nos comentários... 
Até a próxima, beijos... ^.~

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...